Reforma Administrativa Dificultaria a preservação ambiental

Reforma Administrativa Dificultaria a preservação ambiental

Reforma Administrativa Dificultaria a preservação ambiental

📌 CENA 1: Pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) desenvolveram uma ferramenta que utilizará dados da Polícia Federal (PF) para identificar o comércio de madeira ilegal. Segundo a PF, 13% da madeira exportada pelo Brasil é fruto de desmatamento ilícito.

📌 CENA 2: Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente do governo Jair Bolsonaro entre 2019 e 2021, responsável por ter destruído todas as políticas de fiscalização ambiental e preservação da biodiversidade e das reservas indígenas, deixou o cargo ao ser investigado por tráfico de madeira ilegal. O delegado que comandava a investigação tem estabilidade e, por isso, não se dobrou às ameaças e perseguições do governo, que o retaliou, removendo-o para outra função, mas não conseguiu demiti-lo.

🤔 Pensemos nessas duas cenas. De um lado, servidores públicos cumprindo suas funções e trabalhando pelo interesse da sociedade; de outro, um governo que atenta contra suas obrigações constitucionais, contra seu povo e até contra o planeta.

❗ Isso ajuda a explicar por que Bolsonaro quer aprovar a Reforma Administrativa (PEC 32/2020) e destruir o serviço público: assim, os criminosos podem atuando sem serem incomodados.