A Reforma Administrativa não quer acabar com os privilegiados

A reforma administrativa não quer acabar com os privilegiados

A Reforma Administrativa não quer acabar com os privilegiados

🙄 A Reforma Administrativa (PEC 32/2020) não pretende “acabar com privilégios”.

Ela não vai abranger justamente o “andar de cima” que, por coincidência (ou não), está envolvido em decisões importantes sobre o futuro do governo.

Por isso, o próprio governo deixou de fora:

1⃣ Os políticos, que julgam os pedidos de impeachment contra o presidente

2⃣ Os militares, que são a base de sustentação repressora do Governo Federal (inclusive com setores radicais nos estados)

3⃣ Procuradores e promotores que abrem investigações e acusações contra o governo

4️⃣ Juízes, desembargadores e ministros (STF, STJ, TSE STM) que são aqueles que julgam os crimes dos membros do governo

Agora, sabe quem a PEC 32/2020 vai atingir?

👉 Os servidores que trabalham para garantir os direitos mais básicos da população, como os da Educação, da Segurança e da Saúde – que correspondem a 60% do funcionalismo público.

😡 Bem longe do topo, cerca de 50% dos servidores recebem menos de 3 salários-mínimos (abaixo da renda média dos brasileiros).

Barrar a Reforma Administrativa é defender quem realmente trabalha pelo povo.

💔 Mas, se ela passar, destruirá serviços públicos, e a todos nós.